Blogues para seguirem e participarem

Junte - se á causa

segunda-feira, 29 de junho de 2009

The pervasive nature of corruption

The World Bank and IMF assume that corruptioncan be removed by reforms.
In common usage, corruption is often used to refer to all types of immoral or harmful behaviour by public officials. But in the social sciences and policy discussions, corruption refers specifically to the illegal use of power by politicians or bureaucrats for their own benefit.
The important point is that this definition does not presume that corruption is damaging, though it may be. How damaging it is has to be established by theory and evidence, and here there is considerable debate.
Corruption involves two related activities. First, public power has to be acquired or purchased. Resources are therefore spent in bribes or in efforts to directly capture political power.
These activities can waste resources which could have been more productively invested. Public powerSecondly, public power is then used to create benefits for public officials, or those who have bribed them, or create obstacles for others.
In Video
Bribery 'puts Greek health sector at risk'The benefits are beneficial for those who get them, but can be damaging for society. For instance, public power can be used to create monopolies to import goods, or to grant contracts at inflated prices.
In extreme cases of predation, public officials and their friends can simply loot resources. Public officials can also create obstacles that citizens have to pay to avoid, like red tape and unnecessary restrictions. The economic effect of the second set of activities can therefore also be negative and the total effect of corruption is then clearly negative. International agencies like the World Bank and the IMF assume that corruption does have negative effects and also that it can be removed by reforms. Therefore, they use their influence to persuade developing countries to spend time, effort and money to reduce corruption. In this, they are often supported by civil society organisations and NGOs who are also against corruption for obvious reasons. The policies they recommend include greater transparency and accountability, stricter prosecutions and punishments, and liberalisation to reduce the amount of discretion that public officials have to create privileges or allocate resources. But much investment in these policies has generally not achieved significant reductions in corruption.Political corruption
No one can be in favour of corruption. The question really is that, if corruption is so bad, why is it so pervasive? Why does every developing country suffer so greatly from corruption? And why have all the resources spent on fighting corruption achieved so little in terms of sustained and lasting reductions in corruption, and what should we be doing about it?
To answer these questions we need to look at what the simple analysis of corruption is missing out. First, it misses the fact that much of the corruption in developing countries is political corruption driven by the fact that political power is often based on the ability of politicians to deliver resources or privileges to their clients that they cannot offer through the budget. Here the significant difference with advanced countries is that in the latter, the budget is big enough to allow competing parties to offer credible spending plans to voters that can potentially win one of them a majority. In developing countries this is very difficult because the small budget cannot offer much to voters. Rather, power is constructed through political networks where powerful faction leaders are rewarded with privileges to maintain political stability, mobilize voters and enable the state to function. Social costThis is also corruption because resources are being spent, sometimes illegally, to construct these networks and the privileges created for the political organisers are often illegal as well. But the problem is that in the absence of a fiscal base to allow social democratic politics, it is difficult to imagine how else politics can be organised. In these contexts, the only feasible solution is to make politics more stable and developmental so that the budget can grow over time. But attempts to immediately root out all corruption typically fail.
A second problem with the simplistic analysis is that what public officials ‘deliver’ varies greatly.It is not always a monopoly or an obstacle. Sometimes citizens have to pay to get resources to which they are legally entitled and which are socially desirable, such as foodgrains for poor people. Here corruption has a social cost, but it may be less than the cost of not having the programme at all. Another example is when states make resources available for investment in new or risky areas. If the state has the capacity to ensure that these resources are not entirely wasted, economic development can take place even in the presence of corruption. The corruption associated with support for industrial policy is often observed in East Asian countries. In these cases the bribe is a bit like an illegal tax, which has a cost, but the net effect of intervention can be growth-enhancing for the economy.Buying influenceThese sorts of reasons explain why corruption can be associated with collapsing economies but also with some of the most dynamic economies in the developing world. Clearly developing countries have different mixes of corruption.
In poorly performing economies predatory types of corruption dominate as well as corruption that creates obstacles for investors. In high-growth developing countries corruption is more like profit-sharing between business and public officials in a context where public officials facilitate and enable businesses to grow. If we cannot get rid of all corruption immediately, we should certainly try to attack predatory behaviour and looting and try to create incentives for public officials to behave in developmental ways. This is a very different strategy from the moralistic approach of much of global anti-corruption policies today.
And it has to be remembered that in advanced countries the rich do buy influence, but because of higher levels of institutionalisation, they usually buy influence legally, through lobbying, contributions to political parties, contributions to think-tanks and universities, and by employing ex-politicians on their boards. This is another reason why corruption gradually disappears as a country becomes richer. But if we are concerned about justice and democracy, we should be just as concerned with the legal forms of influence-buying in advanced countries.
Mushtaq Husain Khan is professor of economics at the School of Oriental and African Studies, University of London and his publications can be accessed at
By Mushtaq H Khan - disponível aqui.

Portal das obras públicas adjudicado sem concurso

Microsoft começou a elaborar site por ajuste directo
«O Instituto da Construção e Imobiliário (InCI), organismo público que ficou responsável pela execução do Código dos Contratos Públicos, e pela criação de um portal, onde devem ser publicitados todos os ajustes directos e derrapagens, em nome da transparência e do rigor no uso dos dinheiros públicos, não está a conseguir, neste mesmo portal, dar o melhor exemplo.O portal está a ser desenvolvido pela Microsoft, num contrato para o qual não houve concurso público, e onde já há derrapagens.Segundo o InCI, a elaboração deste portal - que funciona no endereço - foi adjudicada à Microsoft a 27 de Junho de 2008, por ajuste directo, considerando, à data, a urgência de implementação do portal". Nessa altura, as portarias que regulamentam o portal ainda não tinham sido publicadas e estava-se, então, a um mês e dois dias da entrada em vigor do Código da Contratação Pública. Porém, segundo dados a que o PÚBLICO teve acesso, a Microsoft começou a trabalhar no portal antes da adjudicação, numa altura em que o contrato de ajuste directo não tinha sido assinado, já que apenas o foi a 4 de Novembro de 2008. A Microsoft era consultora do Ministério das Obras Públicas e colaborou com a secretaria de Estado na preparação das portarias que vieram regulamentar o Código - e acabou por ver ser-lhe adjudicada a elaboração de um serviço para o qual foi consultora, ao arrepio das recomendações legais. E, apurou o PÚBLICO, se houve atrasos na assinatura do contrato é porque existiram divergências entre a empresa e a direcção do InCI sobre o seu conteúdo. Nas respostas enviadas ao PÚBLICO, o InCI explica que o ajuste directo foi feito por 268.800 euros, que o contrato "ainda se encontra em execução" e "prevê uma garantia de seis meses após a sua conclusão para a manutenção correctiva do sistema". Documentos consultados pelo PÚBLICO demonstram que em Junho foi feita a comunicação da decisão de contratar, mas que a assinatura aconteceria apenas em Novembro, depois de negociações e divergências entre a empresa e a direcção do InCI, que pretendia um típico contrato de concepção/construção: isto é, a Microsoft concebia e executava o portal, pela verba contratada. Não é esse o entendimento da empresa, que já apresentou ao InCI facturas que duplicam o valor do contrato assinado. O portal ainda não está todo operacional e já se lhe conheceram algumas soluções de emergência. A soma das facturas que foram sendo apresentadas já significaria uma derrapagem estranha para o valor do contrato. Pelo caminho, foi pública a polémica por causa da impossibilidade de fazer pesquisas e consultas no Portal, apesar do custo irrisório dessa função, ou a necessidade de criar um regime excepcional, por causa dos concursos que iriam ser lançados, por exemplo, pela Parque Escolar. A Microsoft cobrou mais de 20 mil euros para fazer esta alteração. Contactada pelo PÚBLICO, fonte oficial da empresa limitou-se a confirmar a adjudicação de um contrato de serviços com o InCI, que o projecto ainda está em curso, e que está disponível uma versão da solução em produção, sem referir qualquer atraso. Mas recusa-se a falar dos detalhes que envolveram o processo de desenvolvimento já que estes pertencem "à esfera privada da relação contratual que estabelecemos com os clientes e que não são do domínio público".Confrontado pelo PÚBLICO, também Ponce de Leão, presidente do InCI na altura destes factos, recusou-se a prestar esclarecimentos. "Não acho que seja a altura, por agora, para me pronunciar sobre essas matérias", limitou-se a responder. Ponce de Leão foi substituído pelo antigo inspector-geral de Obras Públicas na direcção do InCI há cerca de um mês.

domingo, 28 de junho de 2009

Xanana envolvido em escândalo de corrupção

O primeiro-ministro timorense e símbolo da luta de Timor-Leste pela independência, Xanana Gusmão, está envolvido num escândalo de corrupção. Em causa, um contrato de milhões de dólares, para fornecimento de arroz, ganho pela empresa em que a filha de Xanana é sócia maioritária.
De acordo com a rádio australiana ABC, a empresa de Zenilda Gusmão Prima Food ganhou, no ano passado, um concurso governamental, no valor de 3,5 milhões de dólares americanos (cerca de 2,5 milhões de euros. O acordo terá sido assinado pelo próprio Xanana Gusmão. Isto, apesar de a legislação timorense proibir agentes da administração e políticos de atribuir contratos a familiares directos.

Avançam iniciativas contra corruptos em 2010

Duas propostas contra políticos com problemas na Justiça avançam no Congresso e nas ruas para entrar em vigor nas eleições de 2010. No início de junho, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou um projeto de lei apresentado pelo senador Pedro Simon (PMDB-RS) que exige idoneidade moral dos candidatos. Ao mesmo tempo, um movimento contra os candidatos condenados em qualquer instância atinge 836 mil assinaturas.
Em abril de 2008, o Movimento Contra Corrupção Eleitoral (MCCE), composto por 41 diferentes entidades, começou a recolher assinaturas para a confecção de um projeto de iniciativa popular que proíba pessoas com condenação judicial, mesmo em primeira instância, de se candidatarem. A campanha começou quatro meses antes de o STF liberar a candidatura de políticos com problemas na Justiça. Para ser apresentado, um projeto de lei de iniciativa popular necessita das assinaturas de pelo menos 1% dos votos dos eleitores, cerca de 1,3 milhão de pessoas.

sábado, 27 de junho de 2009

Mais um Arguido no Caso Freeport

Noticia o Sol Online, na sua edição de hoje que o ex-presidente da Câmara Municipal de Alcochete José Dias Inocêncio foi constituído arguido no âmbito do ‘caso Freeport’.
« O processo relativo ao Freeport conta agora com seis arguidos: Charles Smith, Manuel Pedro, Eduardo Capinha Lopes, Carlos Guerra, José Manuel Marques e José Dias Inocêncio.
Charles Smith e Manuel Pedro prestaram consultoria ao negócio do 'outlet' de Alcochete, o arquitecto Eduardo Capinha Lopes ficou encarregado do projecto do espaço comercial, Carlos Guerra foi presidente do ex-Instituto de Conservação da Natureza, José Manuel Marques foi vice-presidente do mesmo organismo e consultor da Câmara Municipal de Alcochete e José Dias Inocêncio foi presidente da autarquia.
O processo relativo ao Freeport de Alcochete envolve alegadas suspeitas de corrupção e tráfico de influências no licenciamento daquele centro comercial, em 2002, quando o actual primeiro-ministro, José Sócrates, era ministro do Ambiente.
A notícia de que há um sexto arguido neste processo foi avançada hoje pela SIC Notícias.
A investigação no âmbito do ‘caso Freeport’ decorre no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), chefiado pela procuradora-geral adjunta Cândida Almeida. »

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Eu dou a cara pelas decisões...

Ricardo Costa apelou ainda à responsabilidade dos clubes na criação e na votação dos regulamentos, lembrando que "estão a actuar no exercício de poderes públicos, que foram delegados pelo Estado, e não estão a actuar em função de interesses privados". E disse esperar que o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol decida rapidamente os recursos do Vizela e do Gondomar, punidos com descida de divisão, na sequência de casos de corrupção.
... "Acho que é consensual que hoje para haver corrupção consumada não deve ser necessário demonstrar a actuação parcial do árbitro. Acho que hoje tem de ser introduzida a infracção de tráfico e exercício de influências. São melhorias que estão a ser discutidas pelos clubes", referiu o dirigente no II Seminário de Formação Pró-Graduada "UEFA Pro", onde deu "alguns conselhos" a treinadores portugueses e apelou à "serenidade" durante a próxima época.

PM Xanana Gusmão envolvido em polémica...

O primeiro-ministro de Timor-Leste, Xanana Gusmão, estará alegadamente envolvido num caso de alegada corrupção e a FRETILIN, principal partido da oposição, exige que se demita do cargo, noticia hoje a emissora australiana ABC.
Segundo a rádio, em causa está um contrato, no valor de 3,5 milhões de dólares (cerca de 2,4 milhões de euros), que Xanana Gusmão assinou com a empresa Prima Food, que venceu um concurso internacional para fornecimento de arroz e que tem entre os accionistas mais importantes Zenilda Gusmão, filha mais velha do chefe do Governo timorense.
A legislação timorense proíbe "agentes da administração", políticos e burocratas de ganharem contratos com o Governo em negócios a que estejam ligados membros directos da respectiva família.

Dirigentes da Ordem dos Advogados do Brasil condenam corrupção

O combate à corrupção deve ser uma atitude cotidiana de cada cidadão e precisa contar com o apoio de instituições como a Ordem dos Advogados do Brasil e outras que compõem esse Fórum Transparência Rondônia. A afirmação é do presidente da OAB Rondônia, advogado Hélio Vieira, ao participar, na noite desta quinta-feira, 25, da abertura dos debates sobre corrupção eleitoral realizado pelo Fórum Transparência Rondônia, no auditório “Agenor de Carvalho” da Ordem.
... O entendimento dos dirigentes da Ordem dos Advogados do Brasil em Rondônia é o de que o combate à corrupção é uma questão de cidadania e, nesse sentido, as ações preventivas realizadas agora envolvendo a classe estudantil pode render bons frutos num futuro próximo.
Artigo aqui: Foto aqui:

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Portugal chumba no combate ao suborno

Portugal tem feito "pouco ou nenhum" esforço na aplicação do compromisso de combate ao suborno internacional, denuncia a Transparency International (TI), que aponta falhas no controlo do branqueamento de capitais, assim como insuficiências no sistema de auditoria financeira e controlo orçamental.No relatório anual, ontem divulgado, sobre suborno em transacções comerciais internacionais, esta organização especializada na denúncia da corrupção, aponta o Freeport como um dos casos em que "os atrasos na cooperação judicial [entre países], por vezes aparentemente influenciados por considerações políticas, atrasam as investigações internacionais". "Portugal demorou três anos a responder a um pedido de cooperação do Reino Unido no caso Freeport", critica o documento.Portugal consta na lista de 21 países - num total de 36 - com aplicação "insuficiente" da Convenção da OCDE, assinada em 1997, contra o suborno de funcionários públicos estrangeiros em transacções comerciais internacionais. Na análise à realidade portuguesa, os peritos referem que a auditoria financeira e o controlo orçamental "continua a ser frágil", frisando que "os princípios na relação entre os auditores e quem paga a auditoria não são respeitados e são frequentes as situações de conflitos de interesses. No branqueamento de capitais, a TI nota que, apesar das sanções pesadas, "o controlo é tão fraco que a maioria das instituições financeiras não se sente obrigada a obedecer à lei".A TI aconselha Portugal a criar uma entidade autónoma anticorrupção com capacidade de investigação, a compilar informação precisa e acessível e a aplicar sanções mais severas para o enriquecimento ilícito, incluindo o suborno.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

CNBB: nota contra corrupção na política

BRASÍLIA, domingo, 21 de junho de 2009 - nota que a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) difundiu na sexta-feira contra a corrupção no país.
“Na verdade, a raiz de todos os males é o amor ao dinheiro” (1Tm 6,10).
Nós, membros do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - CNBB, reunidos em Brasília, DF, nos dias 16 a 18 de junho de 2009, manifestamos indignação diante das repetidas acusações de corrupção nas instâncias dos Poderes constituídos. A corrupção e a decorrente impunidade constituem grandes ameaças ao sistema democrático.
A corrupção aumenta o fosso das desigualdades sociais, como também a miséria, a fome e a pobreza. Além de ferir gravemente o princípio do destino universal dos bens, raramente se tem notícias sobre a restituição dos recursos e bens públicos usurpados. A corrupção trai a justiça e a ética social, compromete o funcionamento do Estado, decepciona e afasta o povo da participação política, levando-o ao desprezo, perplexidade, cansaço, revolta, e ao descrédito generalizado, não somente pelos políticos, mas também pelas Instituições Públicas.
A imprensa nacional e os órgãos públicos competentes têm divulgado a prática de comprovada corrupção nos meios políticos como um círculo vicioso, um hábito enraizado na inversão dos meios e do fim da “coisa pública”. Ao mesmo tempo em que a mídia funciona como caixa de ressonância, denunciando os males presentes na vida política, muitas vezes pode semear na opinião pública a idéia da inutilidade do Congresso, desvalorizando a democracia.
Diversas instâncias da sociedade civil já se manifestaram em favor da reforma política para, entre outros objetivos, sanar os males da corrupção sedimentados na vida pública. A Igreja quer contribuir para o bem comum, lembrando as exigências éticas do Evangelho. A política é um serviço ao bem comum, na construção da sociedade justa, fraterna e solidária. Os políticos sejam pessoas dotadas de virtudes sociais, como competência, retidão, transparência e espírito de serviço, sendo os primeiros responsáveis pela ordem justa na sociedade. A superação da corrupção exige pessoas e partidos com perfil íntegro para o exercício do mandado público.
Convocamos a todos para que, através do Projeto de Lei de Iniciativa Popular sobre a Vida Pregressa dos Candidatos (Projeto Ficha Limpa), da Reforma Política e outras mobilizações, possamos garantir eleições regidas pela ética em 2010, fortalecendo a participação e garantindo a credibilidade dos processos democráticos. Nesse sentido, a Igreja oferece, por meio das escolas de Fé e Política, uma concreta e valiosa contribuição.
Artigo: aqui foto: aqui

domingo, 21 de junho de 2009

«Hoje não há árbitros corruptos»

Vi esta notícia num periódico e entendo muito útil, com base nela, refletir sobre o estado da Corrupção...

Vítor Pereira, presidente da Comissão de Arbitragem (CA) da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), assegurou esta 6.ª feira que não há árbitros corruptos. A afirmação foi produzida durante a apresentação do balanço da época 2008/09.
"A arbitragem em 2009 tem uma imagem melhor do que em 2003, o ano a que reportam os processos relacionados com o Apito Dourado, para além de terem também um comportamento diferente do que tinha", referiu.
"As investigações resultantes do Apito Dourado foram positivas e acabaram com um manto de dúvidas que pairava sobre o futebol. Foi resolvido nas instâncias devidas e está encerrado", acrescentou o dirigente.

artigo: aqui Foto: aqui

sábado, 20 de junho de 2009

EX Presidente do ICN é o quarto arguido no caso Freeport

Segundo noticiou o "Público" na sua edição de ontem, «Carlos Guerra, ex-presidente do Instituto de Conservação da Natureza, é o quarto arguido do processo Freeport, noticiou a TVI.
Guerra junta-se assim aos arguidos Charles Smith e a Manuel Pedro (intermediários no negócio do Centro Comercial Freeport) e ao arquitecto Eduardo Capinha Lopes que assinou o projecto do "outlet" de Alcochete.Guerra desempenha hoje o cargo de director do Gabinete de Planeamento e Política do Ministério da Agricultura, por nomeação do ministro Jaime Silva e é, simultaneamente, gestor do Programa de Desenvolvimento Rural do Continente (PRODER).
Na passada quarta feira foi interrogado no Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) pelos procuradores titulares do processo, Vítor Magalhães e Paes Faria e ainda por inspectores da PJ de Setúbal, tendo sido constituído arguido.»

domingo, 14 de junho de 2009

Militar da GNR julgado por corrupção

O Tribunal Judicial de Ourém iniciou a 03 de Junho passado, o julgamento de um militar da GNR, de 51 anos, acusado pelo Ministério Público do crime de corrupção passiva para acto ilícito.

Segundo o Sol Online: «O arguido, que se encontra suspenso da actividade policial, terá recebido cem euros para não proceder à elaboração do auto de contra-ordenação resultante, alegadamente, de uma infracção rodoviária cometida por uma condutora na cidade de Ourém. No início da sessão, o militar informou o colectivo de juízes, presidido por Cristina Sousa, que, «para já», não prestava declarações. Antes, as partes acordaram em estabelecer o pedido de indemnização cível em 3.500 euros (o pedido inicial era de 4.702 euros), valor que o arguido vai ter de pagar à condutora este mês. Este caso remonta a 22 de Junho de 2007, quando a automobilista, depois de passar um entroncamento, «estando a luz verde do semáforo accionada», ficou «imobilizada em pleno entroncamento atrás de um veículo pesado», revela o despacho de acusação. Segundo o Ministério Público, quando a condutora avançou, já o semáforo estava vermelho, sendo que no local se encontrava uma viatura da GNR e, nela, o arguido. A automobilista recebeu no dia seguinte uma notificação para se deslocar ao posto da GNR de Ourém para «tratar de processo de contra-ordenação», o que fez no dia 27. Ao arguido, a condutora desabafou, então, que «com esta multa iria ficar sem carta, uma vez que anteriormente havia sido multada por infracção semelhante», pelo que o cabo da GNR afirmou que «iria falar com o colega de serviço, que nunca identificou», pedindo o telemóvel da condutora. A 28 de Junho, o militar, que conhecia a família da condutora, sugeriu um encontro com a assistente, no qual lhe transmitiu ter «falado com o colega, mas que não estava fácil, referindo-lhe que o mesmo não aceitava perdoar a multa». «Em face disso, o arguido solicitou, por várias vezes», à condutora que «indicasse um número, pelo que ela apontou o valor de mil euros», sustenta o Ministério Público, acrescentando que o militar falou em 750 euros e que «lhe dava a parte dele, mas o colega dele não». Condutora e arguido tiveram novo encontro a 29 de Junho e marcaram outro para 3 de Julho, que não se concretizou. A 4 de Julho, o «arguido recebeu sem qualquer hesitação o dinheiro», cem euros segundo a formulação do pedido cível, sendo que as notas – duas de 50 euros - foram previamente fotocopiadas no posto da GNR de Fátima. Nesse dia, o militar foi detido por elementos da própria corporação. »

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Vizela e Gondomar desclassificados por corrupção

«A Liga Portuguesa de Futebol Profissional decretou a desclassificação de Gondomar e Vizela, da Liga de Honra, por “corrupção consumada” em jogos da época 2003/04. Boavista poderá, assim, não cair para a II Divisão.
Ricardo Costa, presidente da Comissão Disciplinar (CD) da Liga, anunciou hoje a desclassificação de Vizela e Gondomar do campeonato da Liga de Honra da época 2008/09, no âmbito de um processo do caso Apito Dourado. Os dois clubes ficam com zero pontos na classificação após terem sido considerados culpados do crime de corrupção consumada. Com esta decisão, com base no regulamento da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), o Boavista deverá manter-se na mesma divisão. Gondomar e Vizela têm agora três dias úteis para recorrer para o Conselho de Justiça (CJ) da FPF.O caso arrastava-se desde Junho do ano passado e os factos remontam à época de 2003/04, quando os ex-dirigentes do Gondomar Castro Neves e José Luís Oliveira e Benjamim Castro, ex-vice-presidente do Vizela, foram alvo de processos-crime por factos registados em 22 jogos (Gondomar) e um jogo (Vizela).Depois de explicar a morosidade na avaliação do processo – falhas processuais -, após o CJ da FPF ter decidido em Junho do ano passado que a decisão final do processo competia à CD da Liga, Ricardo Costa avançou com os pormenores dos processos disciplinares números 15 (Gondomar) e 16 (Vizela).No caso do Gondomar, um “processo complexo” por envolver “muitos jogos e personalidades”, ficou “provada” a existência de “um sistema clandestino paralelo de nomeações dos árbitros para os jogos do clube”. Segundo Ricardo Costa, os contactos entre árbitros e dirigentes “eram feitos antes e após os jogos, com ofertas de objectos em ouro e a promessa de boa nota ou mesmo a garantia de que não desceriam de divisão”. “No processo aparece uma 'shortlist’ enviada por José Luís Oliveira com os árbitros escolhidos.”O presidente da CD da Liga acrescentou que “a prova permite concluir que árbitros em determinados jogos violaram consciente e deliberadamente a aplicação das leis do jogo e com isso beneficiaram o Gondomar”. Em consequência disso, o clube gondomarense viu ser provada corrupção activa em seis dos 22 jogos que estiveram em análise. Dois casos foram arquivados e, em 14, foi provada corrupção na forma tentada. José Luís Oliveira foi suspenso por nove anos e multado em 78 mil euros, enquanto Joaquim Castro Neves foi penalizado com uma suspensão de seis anos e uma multa de 43.750 euros.O caso do Vizela era “mais simples” por envolver apenas um jogo. A partida em causa disputou-se a 16 de Novembro de 2003 em Fafe e, nas escutas telefónicas que fazem parte do processo, Benjamim Castro (suspenso por dois anos e meio e castigado com 10 mil euros) pergunta ao árbitro Pedro Sanhudo se podia “estar à vontade para domingo”, tendo o interlocutor respondido: “Dorme descansado”.Segundo Ricardo Costa, nos contactos telefónicos entre Castro e Sanhudo ficou demonstrada “actuação parcial” e “recompensa clara”. “Conseguimos identificar isso no diálogo entre ambos. [O árbitro] diz, pormenorizadamente, como deixou de marcar uma grande penalidade a favor do Fafe. Ia marcar falta, mas viu que era dentro da área e não marcou”, contou. O dirigente aproveitou ainda para comparar com situações anteriores no processo Apito Dourado. Ricardo Costa recordou que, “na altura, não havia prova nos relatórios processuais em benefício do corruptor”, mas que “agora há provas mais do que suficientes”. Após o recurso dos clubes envolvidos, o CJ da FPF vai apreciar os processos e, no fim, emitirá uma decisão, que, depois de transitar em julgado, será aplicada pela Comissão Executiva da Liga. Apesar de o “recurso ter efeitos suspensivos”, a homologação do campeonato será “salvaguardada pelas decisões em suspenso”. » Aqui.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Tribunal de Contas: aumentam as irregularidades

1,3 mil milhões em irregularidades
«O Tribunal de Contas detectou, através das suas auditorias, despesas públicas irregulares no valor de 1, 3 mil milhões de euros ao longo de 2008, um aumento de 60 por cento face a 2007. Trata-se de irregularidades e não de ilegalidades, concretizou o presidente do TC, Guilherme d’Oliveira Martins.
Pagamentos não-orçamentados e contabilização indevida de fundos comunitários contam-se entre as irregularidades encontradas, nos vários níveis da administração do Estado, ou seja, central, regional e local. Estas situações deram origem a recomendações, que, na sua maioria, foram seguidas, tendo o Tribunal de Contas contabilizado, por essa via, uma poupança de 11,5 milhões de euros.
Num encontro com jornalistas, o presidente do Tribunal de Contas revelou ainda que o inventário do património do Estado é, neste momento, uma "prioridade".
Oliveira Martins manifestou-se preocupado com a ausência de informação sobre o património e sublinhou a necessidade de o Estado ter "mais cuidado", nomeadamente quando é dado como garantia.
"É indispensável que os cidadãos conheçam o património público existente, defendeu Oliveira Martins.
A preocupação do presidente do TC não vai para as transacções de imóveis como prisões ou estabelecimentos militares – esse é público –, mas para o património que não se sabe que é do Estado.
Oliveira Martins explicou que está neste momento um conselheiro (juiz do Tribunal de Contas) a avaliar a questão, não podendo, por isso, adiantar de que forma será recolhida a informação.
O número de multas aplicadas pelo Tribunal de Contas a responsáveis públicos devido a infracções financeiras triplicou entre 2007 e 2008. No total, no último ano foram multados 166 gestores, que, para evitar julgamento, pagaram voluntariamente mais de 107 mil euros. Contam-se entre estes casos gestores que, por exemplo, fizeram ajustes directos em vez de concurso público. Também o número de gestores multados por questões processuais – falta de resposta atempadamente, por exemplo – aumentou em 2008. Neste âmbito, foram multados 42 gestores, no valor de 30 mil euros.

O Tribunal detectou em 2008 impactos financeiros no grupo Águas de Portugal de 321,2 milhões de euros, dos quais 85% dizem respeito à "contabilização indevida de fundos comunitários".
O orçamento do tribunal rondou os 25 milhões de euros, dos quais 77 por cento provêm do Orçamento de Estado e o restante do cofre da instituição.
O combate às derrapagens nas obras públicas, o cumprimento do Plano Oficial de Contabilidade Pública, e o cumprimento das regras da concorrência são outras das prioridades.»

Finalmente uma boa notícia neste país cada vez mais mal frequentado

Cavaco Silva veta lei de financiamento dos partidos
O Presidente da República vetou hoje a nova lei do financiamento dos partidos.Cavaco Silva aponta “várias objecções de fundo” ao diploma, como o “aumento substancial do financiamento pecuniário não titulado” ou a possibilidade dos partidos obterem lucros nas campanhas. “São várias as objecções de fundo que suscitam as soluções normativas contidas no diploma em causa”, lê-se numa nota divulgada na página da Internet da Presidência da República. Entre essas “objecções de fundo”, Cavaco Silva aponta o “aumento substancial do financiamento pecuniário não titulado dos partidos políticos e das receitas provenientes de iniciativas de angariação de fundos, da possibilidade de os partidos obterem lucros nas campanhas eleitorais ou do aumento do limite das despesas de campanha na segunda volta das eleições para o Presidente da República”. O veto de hoje é o 9.º de Cavaco Silva desde que foi eleito, em 2006, aproximando-o do recorde de 12 vetos num mandato presidencial que pertence a Jorge Sampaio (1996-2001). Dos nove vetos do actual Presidente da República, sete reportam-se a diplomas da Assembleia da República e apenas dois a decretos-lei oriundos directamente do Governo. Só este ano Cavaco já vetou três diplomas (voto por correspondência dos emigrantes, lei do pluralismo e da não concentração dos meios de comunicação social e, agora, a nova lei dos financiamentos partidários).A nova lei do financiamento dos partidos políticos, das campanhas eleitorais e dos grupos parlamentares, aprovada no parlamento no final de Abril, sobe em mais de um milhão de euros de 22.500 para 1.257.660 euros o limite das entradas em dinheiro vivo nos partidos. Um aumento de mais de 55 vezes em relação ao tecto actual e que se aplica às quotas e contribuições dos militantes e ao produto das actividades de angariação de fundos.É uma das maiores alterações à lei dos financiamentos políticos e que não constava do projecto de lei conjunto do PS e do PSD, aprovado na generalidade a 13 de Dezembro. Quatro meses e meio depois, a discussão na especialidade foi toda feita em grupo de trabalho à porta fechada. O texto final foi aprovado, na esmagadora maioria dos artigos, por unanimidadeO ex-líder do PSD Luís Marques Mendes defendeu na altura o veto de Cavaco Silva: "Face ao que aconteceu, só resta mesmo uma solução: o veto do Presidente da República", afirmou no seu comentário televisivo semanal. Isto porque, em seu entender, a lei agora aprovada enferma de três erros graves: abuso na utilização de dinheiros públicos, o retrocesso que representa e a forma como foi feita, "nas costas dos eleitores".O ministro dos Assuntos Parlamentares na altura em que a actual lei do financiamento foi aprovada criticou ainda o regresso " aos tempos do dinheiro vivo, em notas, que é entregue aos partidos ou aos seus intermediários, sem controlo, sem escrutínio e sem fiscalização". E criticou também a forma como a lei foi feita, "cozinhada às escondidas, no segredo dos gabinetes, por todos os partidos, sem que a opinião pública a pudesse previamente conhecer, apreciar e discutir"Outras alterações da lei. São consideradas despesas de campanha eleitoral as "efectuadas pelas candidaturas, ou por terceiros, com a anuência destas, com intuito ou benefício eleitoral" . Os partidos vão poder impugnar, junto do TC, os regulamentos feitos pela Entidade das Contas e Financiamentos políticos . As coligações e grupos de cidadãos que se apresentem a eleições terão número de identificação fiscal, uma possibilidade aberta também aos grupos parlamentares . Os partidos passam a estar isentos de emolumentos notariais e registrais, além das custas e taxas de justiça . Os partidos que não movimentem mais de 30 mil euros/ano podem optar por regime de contabilidade simplificado e pagam apenas metade das coimas por incumprimento da lei».
Aqui no Público.

domingo, 7 de junho de 2009

Rafael Branco rejeita acusações do Presidente do Tribunal de Contas

Segundo o Jornal Digital de São Tomé e Principe, Téla Non, o Primeiro-ministro reconheceu que no passado antes de ocupar o cargo, esteve envolvido indirectamente no negócio de venda da residência da roça Vale dos Prazeres.
«Um caso que para Rafael Branco, ficou esclarecido desde o ano 2005. Por isso considera que as declarações do Presidente do Tribunal de Contas têm motivações políticas. O Chefe do Governo, aproveitou para denunciar que o estado são-tomense não sabe como é que o Tribunal de Contas através do seu Presidente Francisco Pires, está a gerir cerca de 2 milhões de dólares que o tribunal arrecadou nos últimos meses.
Para o Primeiro-ministro o Presidente do Tribunal de Contas, Francisco Pires, está enfurecido pelo facto do governo ter implementado a nova lei de licenciamento público. Uma lei que tirou ao tribunal de contas o direito de receber de 3 a 6% do valor dos contratos que são assinados entre o estado e as empresas privadas.
Rafael Branco explicou que a implementação da referida lei resulta de compromissos assumidos pelo estado são-tomense com os parceiros de desenvolvimento, nomeadamente o Banco Africano de Desenvolvimento e o Banco Mundial. É segundo o Chefe do Governo uma das leis de licitação pública mais avançada da história do país. «Adopta as regras que essas organizações utilizam para concursos públicos».
Rafael Branco, fez questão de anunciar que foi o seu governo quem entregou ao Tribunal de Contas um conjunto de contratos que estavam a ser implementados sem o respectivo visto, nomeadamente a construção da doca de peixe, a construção dos passeios etc. Tudo de acordo as palavras de Rafael Branco, como prova da conduta transparente do seu executivo. «Eu nunca comprei uma viatura do estado. Nunca vive numa casa do estado. Tenho como meu 3 hectares de terra, qualquer cidadão aí tem», declarou.
O Chefe do Governo disse que o país é pequeno e são conhecidas as pessoas que beneficiaram de bens do estado. «Há pessoas que tem mais do que um carro do estado. Porque é que isso é normal para essas pessoas e quando chega a Rafael branco torna-se um caso de lesa-majestade», reclamou.
Até agora garantiu, o seu governo não alienou qualquer bem do estado, sejam viaturas, residências ou qualquer outro bem. No entanto deixou uma indirecta para o Presidente do Tribunal de Contas. «Eu conheço o currículo e o procedimento de muita gente e que eu poderia falar mas eu abstenho de falar disso porque eu sou Primeiro-ministro da República de São Tomé e Príncipe», precisou. Questionado se o Presidente do Tribunal de Contas faz parte deste grupo de gente, Rafael Branco respondeu que sim.
Confrontado com a acusação de estar envolvido num esquema para venda da residência da roça Vale dos Prazeres, o Primeiro Ministro, confirmou que esteve indirectamente no negócio. Mas foi antes de ser inquilino do palácio do governo. «De facto eu estive indirectamente envolvido na compra desta casa. O processo de venda foi para o tribunal de contas que disse que não poderia ser. Sabem o que o governo fez, não foi meu governo nem o anterior, desde o ano 2005, o governo anulou a venda criou outra comissão de avaliação que avaliou a casa com um preço maior. O indivíduo pagou as finanças o valor. Não foi um negócio entre Rafael Branco e o estado. Foi negócio entre o indivíduo e o estado. Isso aconteceu em 2005 ou 2006 e eu vim para o governo em 2008», explicou.
Rafael Branco contra ataca, exigindo que o Tribunal de Contas, explique a nação como é que estão a ser geridos cerca de 2 milhões de dólares que a instituição arrecadou nos últimos meses. «O tribunal de contas não é uma ilha neste país. O tribunal de contas também tem de prestar contas daquilo que faz dos recursos que recebe do estado». Segundo o Chefe do Governo o estado são-tomense não conhece o paradeiro deste dinheiro nem a forma como está a ser utilizado.
O mal-estar com o tribunal de contas terá surgido também, por causa da decisão do executivo em baixar o volume das despesas correntes do tribunal de contas para que a instituição utilizasse a verba de 2 milhões de dólares para suportar as despesas do seu funcionamento. «Quando elaboramos o orçamento sabíamos que em Junho quando tomamos posse até Dezembro, o tribunal de contas tinha nos seus cofres, acima de 1 milhão de dólares. De Junho até este momento o tribunal tem nas suas contas valores que se aproximam de 2 milhões de dólares. Tendo conhecimento disso, nós propusemos um orçamento ao tribunal de contas baseado no ano anterior mas com a convicção de que o tribunal ia utilizar os recursos que tinha lá para completar o seu orçamento. No quadro da discussão do orçamento chegou-se a conclusão que se devia baixar esse montante que ia na proposta do governo para que esses recursos fossem apoiar outros sectores de actividade nacional, porque se sabia que o tribunal de contas tinha esse dinheiro», frisou.
De acordo a Rafael Branco, o estado não tem controlo sobre os salários que são praticados no tribunal de contas. Face as dificuldades financeiras que o país vive, o Primeiro-ministro pergunta se não seria justo, que o montante arrecadado pelo tribunal de contas, fosse aplicado favor do desenvolvimento da instituição e do país.
A reacção do Procurador-geral da República, que prometeu agir no sentido de responsabilizar financeiramente as pessoas denunciadas pelo relatório do Tribunal de Contas, deixou o Primeiro Ministro surpreendido. «Desde que cheguei cá, mesmo antes de assinar qualquer contrato importante eu peço parecer do senhor procurador-geral da república. Eu fico surpreendido quando o senhor procurador diz isso. Ele tem assento no tribunal de contas. Sabe em primeira mão o que está mal ou não. Não precisa da declaração do senhor Presidente do Tribunal de Contas para agir», pontuou»

Generais envolvidos em esquema de corrupção

Noticiou o Correio da Manhã, na sua edição de 4 de Junho que dois generais aproveitaram durante anos o facto de trabalharem no sub-sistema de Saúde do Exército para desviar dinheiro e dar acesso aos serviços a pessoas exteriores à instituição que não tinham legalmente direito a eles.
«A PJ concluiu a investigação no final de Maio, apontando cerca de 20 pessoas como responsáveis por uma “rede formada por militares e civis que agiam de modo concertado em práticas fraudulentas, ”, explica fonte policial. O CM apurou que dois dos investigados são generais e o grupo inclui ainda vários militares de alta patente. Os civis trabalham na indústria farmacêutica.
A Unidade Nacional de Combate à Corrupção da Polícia Judiciária anunciou ontem em comunicado que o processo foi concluído e remetido para o Ministério Público com proposta de acusação. Os 19 volumes e os 229 apensos resultam de uma investigação de cinco anos que partiu de denúncias de elementos do Exército. A rede terá lesado o Estado em cerca de 500 mil euros.
O grupo apresentava aos serviços de Assistência na Doença aos Militares do Exército (ADME) recibos de despesas de saúde em duplicado, permitindo receber duas vezes por actos médicos e medicamentos. O grupo permitia ainda que elementos estranhos ao Exército usassem os serviços de saúde .
O Ministério Público vai agora apreciar o processo, mas fonte ligada à investigação disse ao CM haver “prova substancial” para levar os suspeitos a julgamento.»
Mais uma situação fraudulenta relacionada com a utilização de sistemas de saúde em Portugal. O que causa maior espanto em casos como este é o facto de eles demorarem tantos anos a serem denunciados e expostos perante as autoridades judiciais competentes.
É dever de cada um de nós dar conhecimento de situações abusivas como esta a quem tem competência para intervir de forma a evitar que se prolonguem no tempo. Com prejuízos graves para o Estado e, portanto, para todos nós.

sábado, 6 de junho de 2009

Os arrumadores e a corrupção do tipo B

«Eu não dou uma moedinha aos arrumadores. Os meus amigos que se deslocam em vistosos Mercedes, BMW e Audis dizem que me posso dar a esse luxo porque a chapa cinza-rato da minha carrinha Fiat Marea (matrícula de 2001) está tão crivada de amolgadelas e riscos que eu nem repararia se ela fosse vandalizada por um arrumador vingativo.
Eles devem ter razão. A minha atitude blasé face aos arrumadores fundamenta-se no facto de ter muito pouco a perder se incorrer na ira deste modernos parasitas, que substituíram na paisagem urbana os cães vadios e os doidos (que andam disfarçados - compensados, como se diz agora). O modelo de negócio dos arrumadores é decalcado da Mafia. Em troca da moedinha, protegem-nos deles próprios.
Há, no entanto, uma pequena maioria de arrumadores que não se limita à venda ilegal de protecção, e fornece serviços de valor acrescentado. Há uns bons dez anos, quando o fenómeno dos arrumadores desabrochava e o Expresso no Porto ficava na Boavista, um colega meu (António Paulino) avençou um arrumador que não só lhe punha o carro a lavar, como fazia valet parking (se não havia lugar, estacionava em segunda e deixava-lhe a chave) e metia moedas no parquímetro se os fiscais aparecessem. Eu próprio teria recorrido a este arrumador se o dr. Balsemão não me pagasse, à época, um lugar de garagem.
A praga dos arrumadores revela um pernicioso traço do nosso carácter nacional e permite estabelecer um paralelo com a corrupção. É grave receber sem dar nada em troca, e isso é tão válido para arrumadores como para funcionários e políticos corruptos. Há dois tipos de corrupção. A do tipo A, maioritária no País e entre os arrumadores, é praticada por pessoas a quem pagamos só para não nos lixarem.
A corrupção do tipo B é mais benigna e positiva, pois é produtiva e faz PIB. Estes corruptos abusam da sua posição e recebem uns dinheiros por fora, mas propiciam-nos serviços (facilitam a vitória num concurso, vendem-nos, à razão de 500 euros cada, anos de descontos para a Segurança Social ou garantem que o nosso processo vai ficar no fundo do monte até prescrever), tal como o arrumador do Paulino. Os corruptores do tipo B prejudicam o Estado, mas, como diz o povo, "ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão". Um estudo do Centro de Estudos de Sociologia revela que a maioria dos portugueses partilha deste ponto de vista.
Perguntados sobre o que mais apreciam num político, a competência (34%) vem em primeiro lugar, seguida da responsabilidade e eficácia. Só 0,7% dos inquiridos referem a honestidade. É o elogio do "rouba mas faz" . Nós não nos importamos que roubem, contanto que sejam competentes, eficazes e empenhados.»
Por Jorge Fiel aqui.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Corruption - Everyone pays (judiciary)

Uma das coisas boas que temos em Portugal é um poder judicial sério e isento (algo que eu testemunho diariamente).
Não é assim por esse mundo fora.
Aqui fica um vídeo que sempre me impressionou muito e que, por sorte, consegui descobrir de novo.

Corruption - Your "NO" Counts

As part of its 'Corruption - Your NO Counts' campaign, UNODC has produced a video spot to illustrate that people are not simply at the mercy of corruption and often have the power to say NO.
No Youtube aqui.

Partnering Against Corruption - CEO Anti-Corruption Appeal

Partnering Against Corruption - CEO Anti-Corruption Appeal
CEOs of the leading global companies and signatories of the World Economic Forum's Partnering Against Corruption Initiative (PACI) appeal for your breakthrough ideas on how to best fight corruption. Record your answer and post it in reply to this video. This first-ever anti-corruption campaign on YouTube marks the International Anti-Corruption Day on 9 December 2008. Speaking in the the video are (in order of appearance) Peter Bakker, Chief Executive Officer, TNT, Netherlands; Alan L. Boeckmann, President and Chief Executive Officer, Fluor Corporation, USA; Samuel A. DiPiazza Jr, Chief Executive Officer, PricewaterhouseCoopers International, USA; and Richard OBrien, President and Chief Executive Officer, Newmont Mining Corporation, USA. The World Economic Forum's Partnering Against Corruption Initiative (PACI) is a global anti-corruption initiative driven by the private sector, bringing together companies from multiple industries throughout the world to fight bribery and corruption. Launched by CEOs from leading global corporations at the World Economic Forum Annual Meeting 2004 in Davos, PACI helps to consolidate industry efforts on the issue and shape the evolving regulatory framework. By becoming a PACI signatory, a company commits to a zero-tolerance policy towards bribery and corruption and agrees to put in place an internal anti-corruption programme that reflects the PACI Principles for Countering Bribery. For further information email:

Corrupção - Táxis (onde é que eu já vi isto?)

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Brigada “Especializada” para políticos

Está em fase final de acabamento um projeto de lei que o governador Blairo Maggi encaminhará à Assembléia Legislativa criando a Delegacia Especializada de Combate aos Crimes contra a Administração Pública. Na prática, uma “Especializada” que vai atuar diretamente nas investigações sobre agentes públicos e políticos corruptos – pessoas que “desfalcam” os cofres dos poderes legislativo, judiciário e executivo, nos municípios e também na estrutura estadual. Atualmente, a função está a cargo da Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Administração Pública.
Trata-se, na verdade, de descentralização da atividade da Secretaria Fazendária. O Governo quer manter a estrutura de combate aos crimes fiscais, que não são poucos. Para se ter uma idéia, em apenas dois dias, mais de 100 falhas fiscais foram detectadas em operação de fiscalização no Posto Fiscal Flávio Gomes, na entrada de Cuiabá, envolvendo carregamento de mercadorias. Há de tudo um pouco: ausência de documentação fiscal das mercadorias transportadas, prática do subfaturamento, falta de pagamento do imposto e contribuintes em situação cadastral irregular.

Essa situação tem gerado desconforto na arrecadação. No primeiro quadrimestre de 2009, o Estado arrecadou R$ 1,281 bilhão de ICMS; 3,05% a mais que no mesmo período do ano passado (R$ 1,244 bilhão). Contudo, a arrecadação do imposto em oito segmentos dos 16 utilizados pela Sefaz para efeito de fiscalização teve queda: algodão (-31,9%), combustível (-7,8%), comunicação (-9,0%), energia (-23,1%), madeira (-4,2), pecuária (-15,4%), soja (-6,8%) e transporte (-27,9%).

Fonte:24 Horas News - aqui Foto- aqui


Uma pesquisa divulgada pela ONG Trasparency International, que promove uma campanha mundial contra a corrupção, indicou que 44% dos italianos acredita que os partidos políticos sejam os maiores focos de corrupção no país. Segundo o estudo, que foi realizado em 69 países e contou com a participação de 73 mil pessoas, a lista de "mais corruptos" para os italianos inclui também o Parlamento, as empresas do setor privado, a mídia, os funcionários públicos e os magistrados. Entre os outros países onde o estudo foi realizado, somente a Grécia apresentou uma percentual mais alta (58%) de pessoas que vêem os partidos políticos como o setor mais corrupto da sociedade. No extremo oposto, na Noruega apenas 6% das pessoas acredita que os partidos sejam o principal foco de corrupção, enquanto 62% indicou que a pior corrupção se encontra no setor privado. Entre os italianos, apenas 7% acredita que o setor privado tenha esse grau de corrupção. A ONG Transparency International, fundada em 1993, promove uma campanha mundial contra a corrupção, através da divulgação de dados e denúncias sobre o problema em diversos países.

Fonte (ANSA) Foto- aqui

Crise aumenta suspeitas de corrupção nas empresas

A recessão mundial já fez cair todos os principiais indicadores económicos e veio reforçar ainda mais um sentimento de desconfiança face às empresas.Mais de metade das 73 mil pessoas, de 60 países, que responderam a um inquérito da Transparency International acreditam que o sector privado é corrupto. Em 2004, 45 por cento dos inquiridos apontavam o dedo às empresas. Agora, são já 53 por cento.“Os resultados mostram um público atordoado pela crise financeira, precipitada pela fraca regulação e de accountability (o dever de prestar contas)”, disse à Reuters Huguette Labelle, responsável pela Transparency International. Mais de metade dos inquiridos acreditam que as empresas subornam para influenciar medidas políticas e pedem acções concretas para travar a corrupção e aumentar a transparência contabilística e nas relações com o Estado. A maior parte dos indivíduos admite estar disposto a pagar mais por produtos de empresas livres de corrupção.Apesar da desconfiança face às empresas, um em cada dez inquiridos admitiu ter subornado alguém no último ano, sobretudo a polícia

Fonte:Público - aqui Foto - aqui

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Mil acusados de corrupção no governo do Iraque

No início da semana, al-Maliki acatou a renúncia do ministro do Comércio, Abdul Falah Sudani, que sentira-se pressionado por não conseguir conter os desvios em sua pasta. O ex-ministro, que tem um irmão detido por corrupção e outro que está sendo investigado mas encontra-se foragido, demitiu-se no último dia 14. Desde então o Parlamento segue colhendo dados e analisando seu histórico.
Os irmãos do ex-ministro Sudani trabalhavam como seus assessores, mas ambos desapareceram no fim de abril quando já eram investigados e estavam prestes a serem detidos. A polícia chegou a entrar no prédio do ministério para prender os suspeitos, mas foi recebida a tiros pelos próprios guardas que faziam a segurança do edifício público. Aproveitando a confusão, os irmãos escaparam pela porta dos fundos. Apenas um deles foi detido, após a montagem de um cerco policial.
Uma audiência agendada para hoje, determinará se Sudani, que nega qualquer irregularidade em seu mandato à frente da pasta, terá de pagar pelas acusações direcionadas aos crimes supostamente cometidos durante a sua gestão.
Um relatório publicado pelo comitê anticorrupção do país garante que há 997 mandados de detenção já expedidos, sendo que 53 seriam destinados a ocupantes de altos cargos, como diretores gerais entre outras elevadas atribuições na estrutura da máquina pública. O documento declara ainda que 51 funcionários foram detidos em abril e 69 neste mês, sendo que 33 apenas no domingo.

Fonte: Jornal do Brasil - aqui Foto: Aqui

A brincar ...? A sério...? Pena de morte...?

Circula pela net no link abaixo referido esta petição ao que se julga de origem brasileira:

ao Povo Brasileiro - legítimo originador do Poder Nacional Brasileiro.
( com cópia para os seus empregados subordinados, senhores membros do Congresso Nacional ) .

Abaixo Assinado : PENA DE MORTE PARA CORRUPÇÃO PRATICADA POR ALTAS AUTORIDADES NACIONAIS . Implantar na legislação nacional a tipificação do crime de ALTÍSSIMA TRAIÇÃO À NAÇÃO . Nós, sofridos e humilhados cidadãos brasileiros, cansados e surrados da CORRUPÇÃO irrefreada e deslavada das classes políticas e do Poder Público Brasileiro que já se arrasta a incontáveis décadas, em quantidades e volumes cada vez mais avantajados e estarrecedores, numa prática imoral que corrói e desagrega o núcleo da Consciência Nacional e do Sentimento Nacional, ameaçando a estabilidade do regime democrático; e, considerando o ALTÍSSIMO GRAU DE TRAIÇÃO À SOCIEDADE BRASILEIRA inserido na desmoralização generalizada do Estado Brasileiro e na lesão da gestão imaculada do bem público, bem como a ameaça à integridade nacional representada pelo incontestável afrouxamento da coesão nacional que é sustentada pelo sentimento de ORGULHO NACIONAL e de amor à Pátria que tem que existir na população; RESOLVEMOS iniciar um Movimento Nacional para implantar na Constituição Brasileira a tipificação do CRIME DE ALTÍSSIMA TRAIÇÃO, caracterizado pela CORRUPÇÃO PRATICADA POR ALTAS AUTORIDADES NACIONAIS, bem como a sua correspondente PENA DE MORTE, seja ele Deputado, Senador, Juiz, Desembargador, Governador, Ministro, Presidente ou Vereador . Considerando o vital papel destas Altas Autoridades no emolduramento e manutenção do PSIQUISMO COLETIVO BRASILEIRO, através da indispensável e imaculada respeitabilidade dos cargos que ocupam e das altíssimas responsabilidades de que são revestidos, queremos : 1 ) - Implantar na legislação nacional a tipificação do crime de ALTÍSSIMA TRAIÇÃO À NAÇÃO, caracterizado simplesmente pela corrupção praticada por tais Altas Autoridades - em face das incomensuravelmente maiores conseqüências advindas, qual seja, a corrosão da Coesão Nacional do povo em volta do Estado Nacional. Equipará-lo assim ao antigamente denominado "CRIME DE LESA-PÁTRIA".

2 ) - Queremos propor uma EMENDA CONSTITUCIONAL DE ORIGEM POPULAR para isso, obviamente observado o direito de defesa ampla, apontado pela Constituição Federal.

3 ) - Queremos uma legislação para proteger VERBAS ESPECIAIS para a implantação dos organismos a seguir descritos, garantindo a sua independência.

4 ) - Queremos, dentro do Supremo Tribunal Federal, a criação de uma ALTÍSSIMA TURMA ESPECIALIZADA E EXCLUSIVA para processar tais crimes, com os mesmos poderes terminativos do Supremo Tribunal Federal - ampliando-o, se necessário.

5 ) - Observado o amplo direito de defesa, queremos a elaboração de uma LEGISLAÇÃO PROCESSUAL ESPECIALÍSSIMA, enxuta, sem os inúmeros malabarismos processuais que possibilitam o retardamento dos julgamentos através de escusos labirintos recursais - que usualmente terminam por permitir estender os processos por décadas.

6 ) - Queremos a criação no MINISTÉRIO PÚBLICO de um segmento especial para investigar estes crimes, com estrutura própria mantida por verbas públicas intocáveis.
google-site-verification: googlef22dbfc7f4ff885e.html